Bambu Guadua

Guadua angustifolia Kunth

A planta e sua origem

Essa variedade foi inicialmente identificada como pertencente aos Bambusas até que em 1822 o botânico alemão Karl S. Kunth determinou que ela constituía um gênero em si e a identificou como Guadua, mantendo assim o termo usado pelas comunidades indígenas.

A Guadua é o gênero de bambu mais importante das Américas, endêmico deste continente e formado por cerca de 30 espécies. A Guadua angustifolia, nativa da Colômbia, é a mais importante, graças às suas extraordinárias propriedades físico-mecânicas e ao avanço do estudo estrutural e silvicultural que vem sendo realizado no país nos últimos anos. Embora seja em um estado natural do Equador para a Venezuela e entre 0 e 2.000 m. acima do nível do mar, o desenvolvimento ótimo das plantas é alcançado entre 500 e 1.500 metros, com temperaturas de 17º a 26º, precipitação de 1.200 a 2.500 mm / ano, umidade relativa de 80-90% e solos com fertilidade moderada e boa drenagem, características da região central dos Andes, conhecida como eixo cafeeiro colombiano.

Florestas de guadua (Guaduales)

Os conjuntos desses Bambus formam os chamados Guaduales, florestas espetaculares onde geralmente é possível se aventurar porque não são especialmente densas e dão origem a ecossistemas altamente dinâmicos e altamente especializados. Muita vida é registrada no interior, com uma infinidade de plantas, mamíferos, pássaros e répteis associados a eles.

Essas formações são muito importantes mesmo em áreas remotas porque suas principais funções incluem regular o fluxo de água, absorver a água quando há excesso e liberá-la pouco a pouco, evitando possíveis inundações, evitando a erosão do solo e o desmatamento graças às suas ramificações No subsolo, eles contribuem com uma grande quantidade de biomassa para o solo e são um dos maiores fixadores de CO2 ambiental do planeta, com registros de entre 100 e 150 toneladas por hectare em cada ciclo de vida, de 4 a 5 anos.

Crescimento e corte

A guadua não aumenta seu diâmetro com a passagem do tempo, mas emerge do solo com seu diâmetro determinado, pois é um monocotiledôneo que não possui tecido cambium para não ficar mais gordo como as árvores …
Dependendo do tipo de solo e condições climáticas, esses diâmetros podem ser de até 22-25 cm. embora o habitual é que eles estão entre 8 e 13 cm.

Durante os primeiros 6 meses eles crescem a uma taxa muito alta que pode chegar a 15 cm por dia até atingir a altura final de 20 a 30 m. Durante os anos seguintes, a usina contribuirá com a biomassa para o solo, fixando CO2 ambiental e desenvolvendo sua estrutura lenhosa.

Após cerca de 4 anos, considera-se que o caule tem a maturidade adequada para seu uso como material estrutural e o corte é realizado. Se isso for bem feito, um mecanismo de transferência de energia rizomático começa na planta e um novo colmo começa a ser gerado, para que a nova produção seja garantida. Além disso, uma exploração regular e controlada favorece o desenvolvimento do Guadual como um todo e estimula sua regeneração natural.
Estima-se que a composição ideal da cana em guadua seja de 10% de brotos, 30% em caules jovens e 60% de canas maduras, com uma densidade de 4.000 a 8.000 hastes por hectare. A produtividade estimada para uma floresta de Guadua é entre 1.200 e 1.400 hastes por hectare / ano, o que a torna uma alternativa totalmente eficaz à madeira para a produção de laminados estruturais, placas, pisos, etc …

Canas de Guadua

As hastes de Guadua, com seus mais de 20 m. de altura, eles são cortados em canas de comprimento padrão de 6 m, e de acordo com a posição original deles / delas na planta 3 são estabelecidas seções diferenciadas.

As hastes obtidas da seção mais alta, chamada Sobrebasa, têm paredes finas, mas mantêm um alto teor de fibras, são usadas para vigas de móveis auxiliares e sarrafos.

As seções intermediárias ou Bases são delgadas e muito leves em relação à sua enorme resistência, mantêm muito bem o diâmetro externo e são muito fibrosas, sendo as peças mais utilizadas na construção civil, especialmente na fabricação de vigas e treliças compostas.

Os pedaços da parte inferior são chamados Cepas, apresentam uma grande espessura de parede, internodos curtos e por sua alta resistência à compressão são perfeitos para construção de colunas.

Tratamento de preservação na origem

Para evitar que o bambu é atacada por insectos xilófagos e impedir o crescimento de fungos, as canas são imersos durante cerca de 4-6 dias em uma solução de bórax e ácido bórico em 1: 1 e com uma concentração entre 4 e 6 %.

Antes de introduzir as canas na solução de todos os entrenudos são perfurados por um lado, isto facilita muito imersão, uma vez que permite que o ar escape do interior das canutos e cana parar de agir como um ponto flutuante, e em segundo lugar ele permite a entrada da mistura nas diferentes secções da haste, garantindo uma correcta preservação desde o bambu é muito mais permeável a partir do interior.

Ao perfurar diafragmas pode pensar que estamos reduzindo a capacidade da cana, para determinar a possível falha de terem havido vários estudos na Universidade Tecnológica de Pereira, em ensaios de tração com perfurada decorre sem perfuração e teste única aprecia uma diminuição da resistência do ambiente a 2%, muito pouco significativa em comparação com os grandes benefícios que esta técnica de preservação oferece.

Dip pentaborato de preservação é considerado amigável desde a sua funcionalidade não é dependente de sais não tóxicos mas, natural e produto inofensivo a estas concentrações.

A mistura inibe a proliferação de insectos sem o uso de venenos graças à estrutura intrínseca de estes sais de bórax (duro e angular), de modo que, se um bastão de ataques borer, estas pequenas pedras afiadas perfurar o estômago impedindo a sua insectos continua ciclo de vida. Como vantagem adicional, todos os materiais tratados desta forma têm características retardadoras de chama graças ao bórax.

Propriedades

Entre as características do Guadua destaca-se a sua extraordinária firmeza à compressão e boa resistência ao corte paralelo, o que se soma à grande flexibilidade que faz da cana-de-açúcar uma ferramenta especialmente interessante para a bioconstrução, onde é catalogada como material estrutural sísmico. resistente

O alto percentual de fibras presentes em sua estrutura e o alto teor de sílica em sua face externa fazem com que esta espécie apresente as características surpreendentes de resistência e flexibilidade que a caracterizam.

Graças à própria morfologia do Guadua, o diâmetro das hastes desta variedade é muito constante, com um valor máximo de redução ou conicidade de cerca de 5 mm / m.

A espessura da parede em geral é bastante espessa, embora possa variar entre as diferentes seções escolhidas. Nas cepas pode atingir mais de 3 cm., (Usado em pilares ou onde muito trabalho de compressão é recebido), enquanto nas bases pode ser entre 0,8 e 2 cm., Como o número interno de fibras é o mesmo Estas peças são perfeitas para trabalhar em vigas e cintos.

A retidão ou a curvatura mínima que eles apresentam é totalmente assegurada porque embora na plantação algumas curvas sempre possam aparecer, nossas bengalas são perfeitamente retas graças a uma seleção cuidadosa na origem (as peças dessa variedade não endireitam com o calor como é feito na China )

Proteção por Design e Manutenção

Ao construir com bambu ao ar livre (como acontece com qualquer madeira), é necessário levar em conta a ação do sol na superfície dos juncos. Os raios ultravioletas são altamente prejudiciais porque secam e danificam a superfície, podendo até mesmo “desescalá-la”.

Para aplicações estruturais de Bambu, sempre que possível é preferível evitar que o sol caia diretamente sobre as palhetas protegendo a estrutura pelo projeto, incluindo beirais no projeto e não deixando as pontas expostas.

Outra proteção importante a ser considerada é evitar o contato direto com fontes de umidade, pois, embora o Guadua inclua um tratamento completo contra fungos e xilófagos, as grandes variações de umidade no interior podem acabar produzindo rachaduras. Isto é evitado nas estruturas pela adição de sapatas ou algum elemento que levanta a peça e permite a drenagem da água da chuva.

Na Colômbia, diz-se que as casas de Guadua devem incluir “um grande chapéu e boas botas”

Independentemente desta proteção, para manter a guadua nutrida, em bom estado e com um aspecto saudável utilizamos óleos como os utilizados para mobiliário de exterior, hoje no mercado existem muitos produtos que cumprem a sua função com dignidade, o mais importante que devemos Lembre-se que deixe a cana respirar mantendo os poros abertos (ao contrário de vernizes ou tintas sintéticas), que oferece uma alta proteção contra os raios UV, sendo resistente à água, e que mantém alguma elasticidade para evitar rachaduras com as possíveis variações de forma canas Usando este tipo de óleo, a manutenção é muito simples (novas aplicações anuais ou semestrais, sem a necessidade de remover o material antigo).

É comum que algumas rachaduras apareçam no bambu, sempre longitudinais, que não apresentam nenhum problema estrutural, pois as propriedades do bambu estão praticamente inalteradas. Se for necessário esconder essas rachaduras, seja por estética ou para facilitar a limpeza da própria estrutura, o ideal é cobri-las com as mesmas cargas flexíveis usadas na madeira, pois é comum que com o aumento da umidade as aberturas fechem novamente .

Sobre Bambu

 

Caraterísticas do Bambu

Bambu em biocostrução

ACV análise do ciclo de vida Bambu Guadua

Bambù Moso<https://bambusa.es/caracteristicas-do-bambu/bambu-moso/?lang=pt-pt/”>

Produtos em destaque
Loading...

20,95104,45 (IVA incl.)